Notícia

09/07/2018

Após "briga" jurídica, prisão de Lula é mantida

No fim da manhã deste domingo, 8, o desembargador Rogério Fraveto, do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) aceitou um pedido de habeas corpus protocolado por deputados petistas, solicitando a soltura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.
 
 
Na decisão, Fraveto embasou sua decisão sob a ótica de que todos os pré-candidatos à presidência deveriam ter o mesmo direito de se manifestar, e com Lula preso, ele estaria sendo prejudicado.
 
 
A partir disso, um embate jurídico polêmico se instalou em âmbito nacional. Inicialmente, a decisão de Fraveto foi condenada pelo juiz Sérgio Moro, que contestou a competência do desembargador em tomar tal medida, já que ele está em regime de plantão – devido ao recesso do Judiciário – e por um juiz, monocraticamente, não ter autoridade de mudar uma decisão de um colegiado (Lula foi condenado por três juízes).
 
 
Ao criticar a decisão, Moro não aceitou o pedido, o que na visão de alguns especialistas, já impediria que Lula fosse efetivamente solto. Além disso, Sérgio Moro determinou que o relator do caso do tríplex do Guarujá no TRF4, desembargador João Pedro Gebran Neto, se manifestasse sobre o caso, fato que aconteceu por volta das 14h15min.
 
 
Em sua análise, o relator Gebran Neto revogou a decisão de Fraveto e manteve a prisão do ex-presidente. Em sua análise, o relator afirmou que tomou a decisão para "evitar maior tumulto para a tramitação deste habeas corpus", e disse que a decisão do desembargador em caráter de plantão, poderia ser revista a qualquer momento e que Fraveto não possuía competência para analisar o pedido dos deputados petistas.
 
 
No entanto, por volta das 15 horas Fraveto voltou a se manifestar e determinou que Lula fosse solto em até uma hora. Nessa terceira liminar autorizando a soltura do ex-presidente, Fraveto acusou policiais federais e o juiz Sérgio Moro de desobedecerem uma ordem judicial. Inclusive, o desembargador afirmou que irá levar a conduta de Moro para julgamento na Corregedoria do TRF4 e para o Conselho Nacional de Justiça (CNJ).
 
 
Em entrevistas, Fraveto acrescentou que ficou duas noites analisando o pedido de habeas corpus e julgou-o procedente. Ele também afirmou que enquanto seu regime de plantão estivesse em vigor, ele é competente em analisar o caso. 
 
 
Porém, por volta das 19h30min, o presidente do TRF4, Carlos Eduardo Thompson Flores, deu fim ao embate jurídico e revogou, em definitivo, o habeas corpus de Lula. Com isso, o ex-presidente seguirá preso na Superintendência da Polícia Federal em Curitiba (PR). Ele está detido em uma sala especial do prédio, conforme previsto em lei, desde o dia 7 de abril.
 
 
 
 
Fonte: Adriano Dal Chiavon
Postado por Rádio Nativa FM/ MFB

Link para voltar para a página anterior
Top 5
  • 01

    Mundo de Ilusões

    Gusttavo Lima

  • 02

    Amor Falso

    Wesley Safadão e Aldair Playboy

  • 03

    O Pedreiro

    Rainha Musical

  • 04

    Ocean

    Alok - Zeeba - Iro

  • 05

    Amor de Verdade

    MC Kekel e MC Rita

Aniversariantes

Previsão do Tempo

Cotação do Dia

21/09/2018 - Quinta-Feira
Soja
80,00
Milho
38,00
Trigo
44,00
Arroz
00,00

Enquete

Botão para ver o resultado da enquete

Agenda

    Nenhum evento encontrado.
Link para ver todas as agendas
Telefones: (55) 3748-1528 ou (55) 9918-6555
E-mail: contato@ervalseco.com
Š 2013 ErvalSeco.com - Todos os direitos reservados